22 de jul de 2011

RASCUNHOS

não há
mais rascunhos
queimei
os que haviam
não
há mais
história
alguma para ser
contada
joguei
fora
os livros
e as memórias
joguei
no rio
as lembranças
fechei
as portas
e as janelas
expulsei
os anjos
e os demônios
pra ficar sozinho
arranquei
as flores
do meu jardim
despi
minha alma
deixei
o silêncio
tomar conta de mim
deixei
morrer
em mim
devagar
cada parte do seu eu...