17 de jul de 2011

AZEDO

o amor
está azedo
cheio
de bagaço
cheio
de sujeira
quem se importa
o amor
já não
é o mesmo
quem tem
tempo para amar
há tempos
o amor
deixou
de ser inocente
hoje
é azedo
cheio
de fel
cheio de ressentimentos
cheio
de medo
cheio
de tudo
o amor
deixou de ser razão
virou
comércio
produto
exposto na vitrine
artigo
de luxo
virou
brinquedo
banalidade
lixo