2 de mai de 2011

DE MIM

o tempo
vai roubando
de mim
a pouca
vida
que tenho
rouba
de mim
minhas memórias
minha saudade
transforma
meu
ontem
em anos atrás
e meu hoje
em meses
vivo
correndo
atropelando
instantes
querendo
viver
toda vida
que ainda
pulsa
e me canso
e quero parar
e não correr
mais
e olhar
tudo passar
por mim
quero ver
as fotos
ler as cartas
que deixei
não há
mais carta
alguma
apenas cinzas
de mim
cinzas de tudo