25 de abr de 2011

AOS POUCOS

aos poucos
seu rosto
se apagará
de minha memória
não restará
nada
da mulher
que um dia
eu quis
que um dia
amei
aos poucos
todas as palavras
deixarão
de ecoar
no vazio
que há entre nós
nunca existiu
nós
aos poucos
tudo
irá
se apagando
não regarei
mais minhas memórias
não me alimentarei mais
deste vácuo
deste vazio
deste eco
sem volta