31 de mar de 2011

“Sem sono”

As horas
Não passam
Fico
Olhando
O vazio
Sem sono
Sem nada
Não penso
Não sinto
Estou
Morto vivo
Ou
Vivo
Sei lá
Pra que
As horas
Me consomem
Não passam
Fico
Olhando
Os pernilongos
Na parede
Sem sono
Querendo
Que tudo
Acabe
E eu morra
Pra dormir
Pra descansar em paz