2 de mar de 2011

o hoje
é pouco
demais
e nada
posso
esperar
do amanhã
o que faço
vivo
tudo
sem viver
cruzo
os braços
tenho
saudades
do tempo
de ontem
onde
eu vivia
sossegado
sem ter medo
de nada
confiar
em quem
quem está
do seu lado
onde estão
os amigos
as pessoas
queridas
o amanhã
os jardins floridos
o hoje
é pouco
demais
devo viver
o que me resta
e o que me dá
a vida
ou cruzo
os braços
e espero
o amanhã
que não pode chegar