23 de mar de 2011

“Blá, blá, blá”

Fico
No meio
Dessas bocas
Ferozes
Fico
Entre essas
Línguas
Vorazes
No meio
Desse
Blá,blá,blá
Que vai
E volta
E fica
Remoendo
Até
Quebrar
A mesma
Tecla
Desse piano
Invisível
Fico
No meio
Dessas nuvens
Negras
Cheia de trovões
Cheia
De um ácido
Que corroí minha alma