26 de mar de 2011

“Esfinge de estilhaços”

Me fere
Sempre
Me lança
Dardos
Farpas
Sempre
Me faz em pedaços
Fico
Jogado
Na rua
Despedaçado
Feito
Bêbado
Sem rumo
Esfinge de estilhaços
Passa
Por mim
E não finges
Não me ver
Me fere
Com teu olhar
Gelado
Não me dizes
Nada
Que possa me fazer
Renascer
Esfinge de estilhaços
Dona do meu ser
Me fere sempre, me mata