26 de mar de 2011

“Depois das duas”

Depois das duas
Quando
O sono
Chega forte
E não consigo
Mais pensar
Em nada
Ainda
Penso
Em você
Depois
Que durmo
Depois das duas
O que sonho
E não sonhar
Mais você
Porque sempre
Choro
Porque sempre
Acordo
Assustado
Cheio de uma saudade
Que rasga
Meu coração
Depois das duas
Lá pelas tantas
Da manhã
Ainda perambulo
Em busca de paz