23 de mar de 2011

“Canos silenciosos”

Os canos
Estão ali
Inertes
Silenciosos
Como
Sempre
Há tempos
A água
Cai
E que atormenta
O silêncio
Dos canos
Silenciosos
É a água
Que atormenta
Como mulher
Insana
A pobre insanidade
Desses canos
Há tempos
No
Mesmo lugar
É a água
A meretriz
Desses
Sonhos
Os canos
Ficarão ali silenciosos
E a água simplesmente passará por eles