21 de fev de 2011

Matam-me

Um pouco a cada dia

Quando

Negam-me

Um abraço

Um sorriso

Quando

Ffecham

As portas

E deixam-me

No lado de fora

Matam-me

Quando

Recusam

A receber

De mim

Todo

O amor

Que arde

Em meu peito

Matam-me

Um pouco

A cada dia

E sempre

Quando fingem

Que não me vêem

Matam-me

Quando rasgam

As poesias que escrevo