31 de dez de 2008

SENSIBILIDADE

cade
onde foi parar
por que se perdeu
onde
está a sensibilidade
que fazia
de nós
homens
iguais e tão diferentes
quem foi
o culpado
de deixar o mundo
sem cor
insensível
diante de tudo
diante da dor
cade
a sensibilidade
que movia
os instantes
a sensibilidade que nos fazia
entender
mais de nós
que fazia estender
a mão e amparar
aos invés de empurrar
não somos mais
somos culpados
insensíveis
diante da dor alheia
sensíveis
a nossa dor

DEIXEI DE SER HOMEM

deixei
de ser homem
tirei
minhas vestes podres
deixei
de lado meu relógio
e o tempo
deixei
de ser homem
virei poeta
larguei os vícios
me transformei no eterno
me aproximei
dos anjos
consegui enfim
ouvir a voz de Deus
deixei de ser homem
para ser poeta
perdi o medo da morte
entendi
melhor a vida
e agora sei o que de verdade
me inspira
antes eu não sabia
deixei
minhas vestes
e meus sapatos
meu relógio
e meus pecados
virei poeta
de encantos
entendi a alma dos homens
e a beleza
eterna das mulheres
deixei ser quem eu
era
para me transformar
em quem eu sou
poeta
homem
mulher
menino

UM DIA

um dia
é um tempo
que não sei conjugar
prefiro
fingir que não sei
é melhor
me engano
e aceito
um dia
é um tempo
que não existe
não é futuro
nem presente
é desculpa
desculpa
de quem não quer fazer
de quem quer
enganar
se enganando
é mais fácil dizer um dia
do que fazer
acontecer
um dia
quase nunca chega
não tem data
não tem história
um dia
é um tempo
que jamais saberei
conjugar

MEU AMOR

meu amor é só um
e sempre será
só um
desde o dia que amei
desde o dia que conheci
o amor
meu amor é sereno
tem sorriso manso
abraço quente
por mais que o tempo passe
continua envolvente
meu amor é grande
fez de mim
o homem que sou
me fez amar a poesia
amar as flores
todas as cores e sabores
meu amor é um só até hoje
paixões
confesso
tive um monte
e em segredo
eu digo
paixões eu ainda tenho
meu amor me entende
e cobra de mim
tão pouco perto do que me dá
meu sorriso
meu abraço
e meu amor

TUDO MUDOU

tudo mudou
tudo precisa mudar
constantemente
todos os dias
e sempre
nada pode ficar preso
sufocado
nada pode ficar parado
tudo mudou
tudo muda o tempo todo
o tempo
o mundo
cada instante
cada segundo
tudo mudou
meu rosto
meu corpo
as pessoas que me cercam
as cercas que cercam as pessoas
as rosas
seus jardins
tudou mudou
porque tudo precisa mudar
sempre
rápido
devagar
não importa
tudo deve mudar
atitudes
consciência
inconsciência
verdades e também
as mentiras

MAIS DO QUE TENHO

não queria
de mim
mais que meus versos
não queria
de mim
mais do que posso dar
na verdade
não posso dar nada
tudo em mim
já está comprometido
e o que
não está
já está usado
não queria de mim
mas do que tenho
posso não ter nada
e o amor que me resta
anda cansado
e meu coração
ainda iludido
perdido de amor
meu pensamento
ocupado
com tantas auroras
e anoitecer
não queria de mim
meu peso
e minhas mãos
já não sou o mesmo
me restam apenas
alguns dias de vida
quem sabe horas
quiserá eu saber
quando de mim ainda resta
não queira de mim
mais de mim
posso não ter nada
apenas meus versos
mais nada

APLAUSOS

o que se quer
são aplausos
o que se quer
é brilhar
mais que as estrelas do céu
mesmo que não haja céu
então me fecho
para que nenhum
brilho ofusque
meus olhos
minha glória
é o dom que Deus
me deu
não quero me deixar
levar
pelos outros
que remam o mesmo barco
quero apenas
ficar sentado
na minha velha
cadeira que mesmo
sendo velha suporta meu peso
não quero aplausos
se vierem
será apenas consequência
meu maior prêmio
é o papel ainda aceitar
o que escrevo
um dia
se mais tarde
o papel cuspir minhas palavras
entenderei
não sirvo mais pra nada

30 de dez de 2008

CHANTAGEM


vou viver
sem sua chantagem
vou poder
correr
sem carregar
o peso
das suas palavras
sempre indecisas
vou viver
melhor
sem seu choro
fácil
sem seu amor
desesperado
não se ama assim
não se deve amar desse jeito
sobrecarregando
depositando
nos outros
sua felicidade
ninguém é feliz assim
desse jeito
dessa maneira
vou viver
melhor
sem suas culpas
sem suas palavras
que sempre me acusam
sem sua chantagem emocional

FEIA


feia
sua atitude
dizer uma coisa
depois dizer
outra
feia
é sua postura
de bater
e sair correndo
depois
se esconde
feia
sua cara de pau
de ficar implorando
o que não é mais
seu
coisa feia
essa atitude
você não é
mais criança
feia
não é sua aparência
seus gestos
como se comporta
como se porta
diante dos seus fracassos
de insistir
de se permitir
ser assim
feia
nos gestos
na maneira de ser

CASTELO DE VIDRO


prefiro
mil vezes
meu barraco
mal pintado
mal iluminado
mal e mal acabado
do que seu castelo
de vidro
prefiro
mil vezes
andar por aí
mendingando
prefiro
mil vezes
dormir no relento
do que deitar
na sua cama macia
prefiro minha boca
seca
amarga
do que ter
seu beijo
prefiro ir a pé
até a china
do que embarcar nos seus
delírios
nos seus sonhos
doentes
prefiro
me sentir sozinho
do que ter
seus pensamentos
ontem foi
hoje não é mais
e amanhã
não será

ANGÚSTIA

acabou
não carrego
mais nenhuma
angústia
em mim
me libertei
de tudo
de tudo o que me
fazia mal
não há mais
mágoa
ressentimento
angústia
acabou
toda depressão
que me deixava triste
acabei
com tudo
que tirava minha paz
que deixa meus nervos
a flor da pele
matei todos os sentimentos
exagerados
sentimentos exacerbados
acabou
toda angústia
tudo o que não gosto
e o que não quero
me libertei
de tudo
renascido
enfim

PERDÃO PARA NÓS DOIS

SE HOUVER MESMO
UM CÉU
QUE HAJA PERDÃO
PARA NÓS DOIS
SE HOUVER
MESMO O INFERNO
NOS ENCONTRAREMOS
NAS MESMAS
LABAREDAS
SE HOUVER
SALVAÇÃO
QUE HAJA TAMBÉM
PERDÃO
PARA NÓS DOIS
QUE AMAMOS
SEM QUERER LIMITES
SEM PENSAR
EM NADA
SEM PENSAR EM NINGUÉM
AMAMOS
DESESPERADAMENTE
E FOMOS ALÉM
DE TUDO
BEM ALÉM DE NÓS
ESQUECEMOS DE DEUS
PERDEMOS A FÉ
SE EXITE MESMO
UM CÉU
QUE EXISTA ENTÃO
PERDÃO PARA
NÓS DOIS
LOUCOS
ETERNOS AMANTES
APAIXONADOS

TEU PREÇO

não quero
seu amor
não posso querer
um amor assim
teu preço é alto
não tenho como pagar
não quero
nada nas minhas costas
não quero ser culpado
e nem carregar a culpa
de não fazer ninguém feliz
teu preço
é alto
não sou digno
de um amor
sem dimensões
ainda amo o velho
de sempre
não quero
seu amor
é amor demais
para que meus
ombros suportem
meu coração
é pequeno
e já tem
o amor que eu sempre
quis

PERFÍDIA

você
é culpada
me empurrou
para o abismo
me mostrou
despertou
em mim
o desejo que não havia
você
me mostrou
o duplo sentido
o caminho que não queria
seguir
você me fez ir
e eu fui
eu sempre vou
você
me empurrou
mesmo sabendo
que seria errado
me mostrou o belo
me fez crer no pecado
você
é culpada
eu estava quieto
sentado
no meu canto
foi você que abriu
meus olhos
cegos e me mostrou
o que eu não queria ver

APELO


se a gente
quiser
podemos ainda ser
felizes
depende de nós
de mais ninguém
eu apelo
para Deus
apelo
para que você
não desista de nós
de nossa loucura
de nossa vida
somos e seremos
sempre um
sem você
não existo
sem mim
você não será nem metade
nós somos
o que somos
e vivemos tanto tempo assim
pra que mudar agora
sou feliz com você
e não me importo
com nada
nem com o tempo
nem com o que foi
quero o que há
nossas todas possibilidades
se a gente quiser
vamos continuar
felizes
como somos
completos em nós
vivendo
é nossa vida
a vida que escolhemos

A TEUS PÉS


a teus pés
me prostro
a teus pés
implorando
não teu perdão
mas tua paz
não teu perdão
mas teus olhos
a teus pés
me jogo
rogando
cada segundo
do amor
que cuspi
teu amor
que nunca soube dar valor
a teus pés
ficarei
pois enfim descobri
a doçura
dos teus gestos
a beleza
do teu sorriso
e a verdade
do que sempre
não quis ver
teu amor
a teus pés
ficarei prostrado
pedindo
tua paz
uma vez mais
teu sorriso

DESENGANO


minha vida foi
desengano
minha vida foi
mentira
me enganaram
o tempo todo
eu deixei que me enganassem
tudo foi ilusão
todos os dias
todos os amores
minha vida foi
mais uma besteira
sem querer
sem porque
foram me destruindo
e eu deixei
que me destruíssem
desengano
desilusão
não sei o que faço
quase 40 anos
e continuo aqui apenas tentando
tentado a viver
mais um ano
sem nada
no meu desengano
nas minhas mentiras
de um feliz Ano Novo

29 de dez de 2008

SAUDADES


Sou mais uma estrela
Neste imenso céu
Sou mais um
Anjo de guarda
Escudeira de Deus
Eu sou a mesma
Eu sou paz
Estou em paz
Sou quem sempre fui
E sou o que sempre
quis ser
invisível
eterna
sou mais um vento
que sopra
no momento de aflição
eu sou a lembrança
a saudade
estou em paz
eu sou a paz
que eu tanto precisava
e minhas orações
são ainda mais fortes
sou estrela no céu
sou anjo de guarda
escudeira de Deus
estou em paz
.
Essa poesia faz parte do Livro "Mulheres - Volume II" e foi escrita especialmente para Minha Querida Sogra Dona Janete

ADEUS FELIZ TRISTE ANO VELHO

Acabou mais um ano...Avaliando tudo o que se passou, posso dizer que foi um ano que mostrou o alto e baixo da vida. Perdi pessoas que amava, perdi amigos que se afastaram ( não eram amigos de verdade ), acreditei demais nas pessoas e me machuquei com isso. Escrevi 3560 poesias, poderia ter escrito mais, escrevi 12 livros, alguns nem se quer foram lidos ( um dia quem sabe serão ), cometi alguns erros na ânsia de achar de podia, não pude. Me reaproximei de pessoas que amo. Agora, vou pintar meu apartamento de amarelo e a parede que encaro, de laranja. Vou deixar meus planos e sonhos num papel, vou fazer mais, vou espalhar meus desejos pelo apartamento todo... Elimei fantasmas, convidei novos amigos, abri espaço para o novo e agora me despeço do velho do Feliz Triste Ano Velho...
.
Eduardus Poeta

GAROTAS

garotas
tem o poder
pena que não sabem
o poder que tem
garotas
conquistam
sonhos
e fazem sonhar
basta
apenas que olhem
garotas
deixam coração mole
pernas bambas
garotas
tem poder
e não usam
deixam guardados
no meio da agenda
garotas
podem ser boas
garotas podem ser más também
mulheres
meninas
sabem amar
sabm brincar de amar
tudo está em seus olhos
elas tem o poder
garotas
pena
que deixe tudo guardado
na página de um diário

LÁ E CÁ


anos
passaram
eu
não sabia
direito o que fazer
queria ser presidente
astronauta
bombeiro
queria ser médico
policial
anos passaram
e eu deixei
de estudar
para caminhar
entre meus sonhos
amava jogar
pão aos pombos
e vê-los voar
pensava um dia voar também
e quis ser piloto
engenheiro
queria crescer e fazer pizza
fazer pão
os anos passaram
eu aprendi a amar
e não quis fazer mais nada
quis apenas amar

PAIXÃO PASSAGEIRA

gosto mais da paixão
do que do amor
o amor vem fica
se instala
domina
a paixão
é passageira
vem e vai
passa
gosto mais da paixão
a paixão esquenta
o amor
que pode ficar morno
com o tempo
a paixão passa
é passageira
apenas vem e esquenta
depois passa
o amor
é eterno
fica
ali às vezes quase apagado
a paixão vem
e coloca mais fogo
aquece
amo amar
mais a paixão me domina
e depois passa
o amor
vem e fica
como está até hoje
e como ficará
sempre

TUDO POR ACASO


não vou
programar
nada
vou deixar
tudo por acaso
ao acaso
não vou mais
fazer planos
ficar planejando
meu destino
vou deixar
não vou mais me
preocupar
vou deixar que os bons ventos
soprem bons presságios
não vou mais
esquentar
minha cabeça
perder meu tempo
vou deixar
tudo
acontecer
tudo por acaso
tudo ao acaso

VIESTE


vieste
na minha direção
e eu não disse
nada
olhei
coração
acelarado
vieste
como sonho bom
sonho
que se quer
sonhar sempre
a todo momento
vieste
apenas vestida
de sorriso
mãos abertas
braços estendidos
vieste me buscar
me tirar esse véu
que cobria minha face
vieste
sem pedir nada
sem falar nada
apenas vestida de sorriso
vieste
e eu
fui

MAÇA DO ROSTO


gosto
de falar besteira
pra te deixar sem graça
com a maça do rosto
vermelha
e tu
toda envergonhada
gosto
de ultrapassar
os teus limites
gosto de invadir
teu quintal
e roubar
tuas roupa do varal
gosto de mexer
com tuas vergonhas
e ousar
te deixar as maças do rosto
vermelhas
gosto
de mexer com tua vaidade
falar besteiras
te deixar sem graça
dar risada
do teu jeito
querendo sumir
gosto
de te surpreender
de mexer com tua vergonha
te deixar sem graça

ECOS


eu quero mesmo
esquecer você
mas ainda há em mim
ecos
da sua voz
ecos
dos seus sentimentos
ecos
de tudo o que vivemos
eu quero mesmo
e apagar
tudo o que houve entre nós
mas não consigo
há ecos
de você em mim
nas minhas noites
e nos meus dias
em tudo de mim
ecos
que me fazem lembrar
de tudo
sem conseguir me desvencilhiar
do quero mais quero
você
quero apagar tudo
impossível
há ecos de você
em mim

ESSA ALEGRIA

essa alegria
nasceu comigo
e aos poucos
foi morrendo
essa alegria
aos poucos
me deixou triste
cegou meus olhos
amargou minha boca
ressecou minhas mãos
essa alegria
me deixou
cético
descrente
me fez ver
que tudo passa
e o amor
é superficial
essa alegria que antes
era razão
era a emoção
dos meus dias
agora
é apenas
a razão para que eu esqueça
meu antes
e meu depois
essa alegria
me deixou
e foi para outros olhos
que não os meus
para que eu pudesse
me descobrir em outro alguém
e enfim pudesse renascer
ainda melhor
essa alegria
minha velha alegria que tinha
achei de volta
em você

ACREDITE OU NÃO

acredite ou não
ainda sou o mesmo
das tardes
do verão que passou
faz tempo
sou o mesmo
que andava de bicicleta
entre um sol
e uma chuva
acredite ou não
ainda vivo das lembranças
das manhãs
que me acordavam
com o sol
ainda tenho
os mesmos sonhos
e cultuo as mesmas divas
sou o mesmo
aquele que faz rir
e o mesmo ainda
apaixonado compulsivo
acredite ou não
apenas meu corpo sente
o efeitos do tempo
eu ainda sou o mesmo
acredite ou não

PACIÊNCIA

do arco íris
não quero potes
de ouro
quero sim
potes de paciência
quero ser brisa mansa
e que em mim
exista apenas a calmaria
de dias tranquilos
e tardes
de insônia insolente
não quero
ouro nem prata
sem eles vivo bem
aprendi a viver sem
mas sem paz
sem paciência
me perco
me acabo
e não consigo mais me refazer
escorre pelo meu corpo
a energia
não quero nada além
apenas
potes de paciência
e a bandeira branca da paz
em mim
sempre estendida

26 de dez de 2008

SILÊNCIO*

amo
o silêncio
amo
a paz
que o silêncio traz
amo
me encontrar
sem medo

diante de mim
amo
pensar
no silêncio
que se faz
no meu quarto
na minha sala de estar
amo
ficar ouvindo
o silêncio da noite
amo
sentar diante de mim
e entender
minha loucuras
e encontrar
meus sonhos
e minha certezas
amo
meu silêncio
e a paz que encontro nele

MAR NENHUM*



mar nenhum
pode me levar
pode levar
meu tempo
nem afogar
minhas mágoas
nem sarar
cicatrizes
nenhum mar
pode amar
mais do que eu amei
querer mais
do que eu quis
nenhum mar
pode me trazer de volta
nenhum vento
pode me levar
para além de mim
para além dos meus sonhos
nenhum mar
pode apagar
minhas memórias
nem matar minha saudade
somente eu

POBRE DEUS*

pobre Deus
olhando tudo
sem poder fazer
mais nada
pobre Deus
que perdeu
para sua criação
sua onipotência
pobre Deus
que se vê
de mãos atadas
vendo seu mundo
desabar
pobre Deus
que chora
pelas guerras
que se fazem silenciosas
pobre Deus
das crianças
do bêbados
dos velhos
crianças cresceram
velhos morreram
e os bêbados
viraram cinzas neste
mundo de injustiças
pobre Deus
olhando perplexo
o mundo se desfazer
em absurdos
pobre Deus

REVANCHE*


não quero
revanche
eu perdi
eu sei perder
não vou mais brigar
nem aceitar
provocações
não quero
tentar de novo
e correr o risco
de perder de novo
não quero arriscar
minha paz
tudo o que eu tenho
não quero mais
nada seu
não quero seu retrato
nem seu desenho
na parede do meu quarto
não quero
revanche
não quero mais emoções
baratas
quero certezas
brigar pra quê
não quero
eu perdi
eu sei perder
brigar pra quê

QUE PENA*

que pena
que temos que
disfarçar
que pena
que não podemos
dizer
o que sentimos
que pena
termos que
matar esse sentimento
que pena
que devagar
vamos nos habituando
às imposições
do destino
e matando
devagar
que pena
que tem que ser assim
que pena
que nem palavras podemos
dizer
que pena que não podemos
expressar
será assim
viveremos arrependidos
sem saber
o que seria
que pena

ALGO DE BOM*


deve haver
algo de bom
em você
se não houvesse
eu não ficaria
tanto tempo com você
nem a amaria
com tanta intensidade
deve haver algo de bom
o que
sua paz
ou seu sorriso
seu amor
ou seu jeito de amar
sua paixão
no querer
ou seu jeito
de me olhar
deve existir
algo de bom
algo pra lá de verdadeiro
deve haver
algo que me prenda a você
que me faça querer
você sempre
e mais ninguém
depois de tanto tempo
depois de tanto amor
deve haver algo de bom
quem sabe
seu amor
quem sabe seu jeito
de amar
de fazer amor
sua paixão

OLHE NOS OLHOS*

chega uma hora
que nem os olhos
conseguem mentir
chega uma hora
que tudo fica estampado
nos gestos
nas ações
entregando sentimentos
olhe nos olhos
e saberá
a verdade
tem hora
que não dá mais
para disfarçar
os olhos
não mentem mais
nem as palavras
tudo fica explícito
escancarado
pra quem quiser ver
pra quem conseguir entender
olhe nos olhos
pra que palavras
as palavras podem se perder
ou não dizer nada
olhe nos olhos
chega uma hora que os olhos
não mentem mais

22 de dez de 2008

GRITO DE ALERTA*


o tempo
está passando
rápido demais
acabando
com nossas vidas
nos fazendo velhos
antes do tempo
é preciso
parar
antes que o tempo
acabe com tudo
é preciso
gritar
um grito de alerta
para que as pessoas
parem de correr
para que as pessoas
desacelerem
o tempo
voa
cada dia mais e mais
rápido demais
já não dá mais
para viver
quando se pensa em parar
o tempo já passou
e arrastou lembranças
e sonhos
apagou lembranças
e saudades
o grito de alerta
não se ouve mais

CHORANDO DESCULPAS*

passei
muito tempo
lamentando
chorando desculpas
olhando
para trás
vendo o que fiz
e por onde andei
passei muito tempo
recolhendo meus cacos
comendo migalhas
de um amor
que me fez pequeno
que me fez rastejar
passei
muito tempo
implorando
chorando desculpas
que não eram minhas
passei
muito tempo
na sombra de um amor
que só me fez mal
amor que não quero
não aceito
cansei
de ficar esmolando
chorando desculpas
pedindo pelo amor de Deus
um amor que não era meu
passei
cansei

SORRISO RARO*

vou sorrir mais
não vou deixar que
meu sorriso fique escondido
não vou deixar
que pensem
mal de mim
quero que me vejam
sorrir
vou deixar de lado
meu sorriso raro
vou sorrir
pra atrair
ainda mais a felicidade
e a boa sorte
vou mostrar os dentes
vou brincar
mais do que brigar
não vou mais me estressar
vou ficar leve
vou sorrir mais
ser mais eu
ainda mais
vou deixar a luz acessa
vou abrir as janelas
deixar a luz entrar
vou renovar o ar
do meu quarto
da sala de estar
vou sorrir mais
e deixar meu peito livre
para a felicidade entrar
e se apossar de mim
vou abandonar
meu sorriso raro

NOITE SEM LUA*

olhei
para o céu
sem estrelas
para a noite sem lua
olhei para dentro
de mim
sozinha
sem amor
sem bem querer
sem vontade
de seguir vivendo
me arrastando
sem emoção
olhei
para o céu
da minha boca
boca seca
sem beijos
faz tempo
quanto tempo
feito noite sem lua
olhei para mim
sem dó
apenas olhei de verdade
me vendo ali
nua
sozinha
pagando meus pecados
de joelhos
na cama vazia
faz tempo
muito tempo
feito noite sem lua
olhei para o céu
para o único céu
que havia
o céu da minha boca
e a noite sem lua

NÃO ME DEIXE SOZINHO*

não me deixe sozinho
ainda tenho
medo
do escuro
ainda temo
a solidão
não me deixe sozinho
preciso
me sentir útil
preciso de carinho
nâo me deixe amarrado
na cama
nem prenda meu pé
ao pé da mesa
me dê um cigarro
um copo com água
me benza
não me deixe sozinho
posso enlouquecer
posso chorar
e vou chorar
ainda tenho medo de escuro
ainda tenho pesadelos
pegue minha mão
me dê um cigarro
acenda a luz
olhe nos meus olhos
dê um pouco
do seu amor
vou me sentir melhor
não me deixe sozinho
odiaria morrer assim

PRAZER ABSOLUTO*

tinha vergonha
do corpo
que era meu
até encontrar
você
e enfim perceber
que não tenho defeito
algum
a não ser
meus pensamentos
você
veio e me deu
prazer absoluto
me mostrou de novo
o mundo que eu já conhecia
antes
eu tinha vergonha
de suspirar
retinha em mim
o prazer que sentia
você me ensinou a suspirar
a gritar
o prazer que sinto
eu via meus defeitos
e você meu amor
me fez amar
prazer absoluto
quando soube
que você sim
era meu mundo
não mais o mundo
que pensei que era o meu

MEU DISFARCE*


meu disfarce
é ficar
aqui
quieto e calado
no meu escuro
no escuro
do meu mundo
meu disfarce
é sair
quando ninguém
e saber que ninguém
me olha
meu disfarce
é caminhar entre
as pedras
ficar entre um vento
e outro
e deixar que a lua
me conduza
meu disfarce
é ser lençol em cama
desfeita
de sonhos
meu disfarce
é ficar olhando
o dia amanhecer
e depois me perder
na multidão
e me recolher
de volta ao meu silêncio

DONA DE MIM*

você
é dona de mim
dona do que penso
dona do que sinto
dona dos meus passos
dona da minha vida
você
me fez melhor
cuidou de mim
me deu amor
me respeitou
silenciou minhas dores
acalmou meu cansaço
você
é dona de mim
e me guia
e direciona os meus passos
e me faz crescer
me faz querer
você
domou minha ansiedade
minha fúria
me prendeu
me soltando
me fez e me faz
voltar para seus braços
você
é dona de mim
e de tudo o que faço
dona do meu coração
dona dos meus pensamentos
dona de mim

INCESSANTE*

não me canso de amar
meu coração é assim
incessante
incansável
incurável
de todo amor
que sinto
ou imagino sentir
não me canso
de buscar paixões
que façam bem
não me canso
de acreditar
na força de um amor
e no poder de uma paixão
sigo forte
mesmo que o amor
me machuque
mesmo que as paixões
tentem me iludir
sigo incessante
incansável
eternamente incurável

CILADA*


conheço
bem todas
as armadilhas
do amor
conheço
bem as ciladas
da paixão
e tudo o que ela
faz ao coração
eu já sei
os atalhos
de um sorriso
conheço bem
os caminhos
que fazem o coração
bater descompassado
acelerado
não caio mais
nas ciladas
nem nas armadilhas
do amor
da paixão
já fui iludido
já acreditei
aceitei
briguei e tantas lutas
lutei
agora eu sei
conheço bem
não me machuco mais
nem me encanto mais
com a beleza de um sorriso

19 de dez de 2008

ROSA


Sou a rosa
De um imenso
Jardim
Sou
Quem alegra
Quem perfuma
Quem encanta
Sou a rosa
Vermelha rosa
Da paixão
Cheia de espinhos
Arranhões
Cicatrizes
A mesma rosa
Que chora
Em silêncio
Rosa menina
Rosa mulher
De encantos
E desencantos
Sou a rosa
Carente
Às vezes podada
Em sentimentos
Rosa
Sobrevivente
Rosa cheia de amor
Essa poesia faz parte do Livro Mulheres - Volume II e foi escrita especialmente para minha amiga Rosa

PENSAMENTOS BONS*


quero
apenas
pensamentos bons
quero apenas
bons desejos
bons amigos
quero apenas o melhor
a melhor paixão
o melhor amor
apertos de mãos
sinceros
quero
apenas
bons sentimentos
quero verdades
abraços
e olhares sinceros
quero o que é bom
o que é melhor para mim
quero apenas
o que me faz bem
o melhor
quero pensamentos bons
e dias melhores
sempre
e cada vez mais
e agora
sempre

ENCONTRO*

encontro
tantas partes
de mim
em poemas
que leio
como se eles
soubessem
mais de mim
do que eu
encontro
tantas histórias
como a minha
e nem fui eu
que as escrevi
encontro
amores como o meu
e eu nem sequer
amei
encontro força
nos meus erros
porque sou humano
eu sei
e erro
encontro
força para continuar
quando olho para trás
e vejo o quanto já
consegui
e o quanto eu já andei
encontro
minha paz
quando a noite
chega
e me encontro
com meus sonhos...

EU ESPERO*

eu espero
o tempo que for
preciso
para encontrar
minha paz
para encontrar
meu caminho
eu espero
sem ter pressa
pelo meu destino
enquanto isso
conto as estrelas
do céu
enquanto isso
escrevo poesias
eu espero
todos os dias
por um milagre
e nas noites
espero uma estrela cadente
para que possa fazer
um pedido
não há mais o céu azul
nem estrelas cadentes
minha esperança
são os milagres
eu espero
sem pressa
meu dia chegar
enquanto não chega
eu vivo

ATÉ QUANDO*

até quando
vamos nos comportar
como animais
será
que algum dia
voltaremos
a usar
a cabeça
até quando
vamos nos comportar
feito imbecis
agindo
sem pensar
seguindo
apenas os instintos
até quando
vamos ficar aprisionando
os animais
eles devem ser livres
até quando
vamos ser tolos
fingidos
até quando vamos
vestir nossa carapuça
de homens tolos
até quando
vamos agir
como animais que não somos mais
há muito tempo

VOU INDO*


vou indo
andando
trilhando meu caminho
se não há
caminho
uso minha foice
meu machado
e abro novos caminhos
sempre foi assim
por toda minha vida
minhas mãos
sangraram
por muito tempo
vou indo
tentando ser feliz
do meu jeito
no meu caminho
tem pedras
mas também tem flores
no meu caminho
de espinhos
e também um vento fresco
vou indo
sem pensar muito
no que virá
viver hoje
já me basta
vou indo no mesmo caminho
aberto faz tempo
pelos que passaram
antes de mim
se vou chegar
não sei
mas vou indo
mesmo assim

VELHOS TEMPOS*

como nos velhos
tempos
poder brincar na chuva
jogar futebol na rua
sentar no banco das praças
como nos velhos tempos
escrever cartas
de amor
postá-las
esperar dias e mais dias
como nos velhos tempos
todos sentados
em volta da mesa
jantando juntos
rindo
conversando
como nos velhos tempos
andar de mãos dadas
falar do futuro
pensar nos estudos
pensar nos filhos
na casa
como nos velhos tempos
namorar no portão
respeitando
os pais
televisão
branco e preto
fotografia revelada
como nos velhos tempos
sem raiva
sem preconceito
livres de tudo
andando
de encontro ao vento
tomar chuva
jogar "pelada"
namorar
ou ficar até tarde com os
amigos na calçada

POR QUE ESCREVO*

escrevo
porque assim
me sinto vivo
escrevo
porque assim
posso crer
num mundo melhor
escrevo
porque o amor
transborda em mim
escrevo
porque assim posso amar
sem me preocupar
com credo
com raça
com cor
escrevo
para me sentir livre
e para que me aproxime de Deus
escrevo
para me aproximar
das pessoas que amo
e quero bem
escrevo
para me sentir
amado
vivo
escrevo para me libertar
das minhas culpas
e dos meus pecados
escrevo
porque é o que sei fazer
amar
respirar
viver

MÁQUINA DE ESCREVER*

onde
está minha
velha máquina de escrever
onde minhas poesias
gritavam
e as palavras escorriam
livremente
para o papel
lembro-me
da felicidade que sentia
ao ver o papel
com letras gravadas
cheio de poesias
onde está
a máquina de escrever
lembro-me
da escrivaninha
e do abajour
ainda tenho papéis
datilografados
na velha máquina de escrever
lá estão
pensamentos
e minhas verdades
parte do meu tempo
e do tempo
que o amor
ainda era uma verdade
que saudades

NOVOS TEMPOS*

olho adiante
para os novos
cadê o amor
onde estão os sentimentos
olho para frente
para o futuro
que chega
sem avisar
e cada vez mais
rápido
novos tempos
novo jeito de amar
de viver
nova maneira
de sentir
de se entregar
de dizer
eu te amo
nada restou
do que era bom
nada ficou
nem um pouco do velho amor
não sobrou nada
eu olho adiante
e sinto medo
que saudades
que tenho do meu ontem
do tempo
da conquista
e dos velhos romances
olho preocupado
com o que está por vir
esses novos tempos sem amor
me assustam

FÉ ABALADA*

no que
devo crer
minha fé
anda abalada
faz tempo
que não creio
mais em nada
apenas vivo
dia após dia
já nem sei mais
o que é fé
não creio
mais
nem sei mais
rezar
orar
pedir
nem agradecer
agradeço mais
agradecer o quê
a sorte que me falta
minha fé abalada
me faz seguir
sem acreditar em nada
o amor morreu
o mundo está doente
as pessoas se matando
acreditar em quê
por quê
pra quê
já não rezo mais
nem oro mais
nem peço
nem agradeço
fé abalada

18 de dez de 2008

MEU ONTEM


Meu hoje
Ainda traz
As cicatrizes
Do meu ontem
O vento
Ainda sopra
As velhas sensações
Do meu ontem
Que quero esquecer
Vivo
Ainda
As sombras
E os pesadelos
Do meu ontem e
Sobrevivo
Sorrindo e me
Fazendo forte
Meu ontem
É passado
Ficou para trás
Já não importa mais
Meu hoje
É o que vivo
E o que me importa
Meu ontem
Com certeza
O tempo apaga
Essa poesia faz parte do Livro Mulheres Volume II e foi escrita especialmente para minha amiga Selma.