21 de out de 2018

MAR DE AMAR

este mar
de amar
de amor
de querer estar
sentir

este mar
esta imensidão
que nos afoga

nossas ondas
nossos ventos
nossas mares

tem horas
que ficamos
em silêncio
tem horas
que gritamos

tem horas
que estamos
vivos na distância

este mar
que nos faz tão
íntimos

amantes
e amados
nos mesmos sonhos
nos mesmos laços

14 de out de 2018

INÉRCIA


agora
estou na inércia
de
qualquer
sentimento

antes
eu queria amar
precisava

estar apaixonado
era necessidade
um vício

qualquer latrina
me encantava

estúpido
aceitava todo amor

era amor

mentiras

INSTINTO

pode vir
sorrindo
esfregar
teus seios
em meu rosto

qualquer
reação
será instinto

ainda sou
o mesmo animal
escravo do meu instinto
do meu faro

nenhum sentimento
nada de mim

somente a saliva
ácida
nesta tua alma
flácida

PAPÉIS

nos meus
papéis
ou
tem poesias
ou
tem contas...

ORGASMO

eu
queria sentir
fazer
voar
queria fazer estremecer
dar prazer
fazer
era oco, vazio
voltava
sem nunca ter ido
amava
sem nunca ter
amado
vazio
cheio de um amor
vazio
vagabundo
porco
chafurdando
nas lama de pernas abertas

23 de mai de 2018

STEFANY



É a menina dos olhos
Do coração
Da alma
Tão imensa
Que nem se dá conta
Primavera
Onde há dias de inverno
A paz que acalenta
O abraço que revigora
É gigante
Em sua natureza
Simplória
Cachos que encantam
Sorriso que alimenta
Dias de sol
Brisa
Olhar você
É sentir o perfume das flores
Não há quem não goste
Não há quem não se renda
Não quem não queira se embriagar
Com sua presença
O toque mágico de Deus
É simplesmente, suavidade...

LILIAN



É força
É forte
Não se esconde
Se assume
Brada forte injustiças
Sabe ser
É és
Coerente
Implacável
Se não quer
Se molhar
Não sai na chuva
Intensa
Imensa
Calor do sol
Verão
Ainda assim
Terna
Fraterna
Justa
Não cala
Fala
Marca, fica

14 de mai de 2018

DE VERDADE

pode
ser
que de verdade
eu nunca
saiba
quem és tu
que me importa
quais
tuas mentiras
ou tuas verdades
teus amores
ou teu amor
não há pecado em amar
desde que verdadeiro
desde que sincero
desde que intenso
então
não me julgue
por te querer
e se te quero
a culpa é tua
foste tu
que alimentaste
meu querer
foste tu
que alimentaste
o fogo que me queima
foste tu
que me induziste
ao erro
agora queimo no inferno
de um amor
que é só meu
enquanto debochas
do que sinto
de verdade
que importa
o que sentes
se mentes
ou se foges
de ti
estarei aqui
até que o amor morra
em mim
depois disso
pode despir tua alma inteira
já irei mais
te querer
e de verdade
já não mais te quero

DEIXE O MUNDO LÁ FORA


feche a porta
as cortinas
não quero ver o sol
nem a quero saber a cor
do dia

deite na cama
abraca-me
e deixa
ficar em silêncio

deixa
eu esquecer
o mundo lá fora
minhas dores
meus sintomas
de tudo

feche a porta
arraste os móveis
tire as cadeiras do lugar
jogue fora os travesseiros
bagunce as gavetas
minhas prateleiras
jogue no chão meus livros

deixe minha alma
quieta
ando cansado de tudo
apenas fique na cama sem lençois
no meu silêncio imundo
neste meu agora de instantes

feche a porta
e as cortinas
e deixa o vento lá fora

LIBERTE-SE

liberte-se
quebre
tuas algemas
os elos da tua corrente

liberte-se
da velha
forma de amar
o velho amor de sempre

mova-se
mude o caminho
o jeito de se vestir
mude o corte de cabelo
se for possível
mude a cor

liberte-se
dos labirintos
da fome de nada
da sede de tudo

liberte-se
dos braços vazios
das bocas ocas
dos ecos

abrace o vento
dispa-se do medo
de ser ridículo

seja tu
a tua verdade
a tua estrada
o teu caminho

deixe pegadas
deixe saudades
liberte-se do teu próprio caos