"Se procura prazer, poderá encontrar aqui as suas mais diversas formas. Há quem procure palavras, há quem procure belas imagens, há os curiosos, os que admiram minha maneira de escrever. Uns julgam erótico. Outros julgam ser sensual e uns apenas lêem as palavras aqui escritas. Isso é algo que não cabe a mim julgar. Sei das minhas intenções... Sei do meu amor pela poesia... Sei da minha infinita sede de escrever..."
SEJA BEM VINDO - 9 ANOS DE POESIA! ! !

FÃS DE CARTEIRINHA

10 de set de 2017

TEUS OLHOS

fechei
meus olhos
para não mais
ver teus olhos

mas na calada
da noite
quando não tenho
mais domínio sobre mim
me vem em
sonhos
os olhos teus

como se meu inconsciente
gritasse
como se eu não pudesse fugir
e sei
que dentro de mim
não posso

então
sigo
resignado
calado
absorvido por aquilo
que não posso

sigo
vendo teus olhos
mesmo quando
estou eu
com os olhos fechados

21 de ago de 2017

PENSEI AMAR DEMAIS

sempre
pensei
eu
amar demais

não era
amor
era
algo que não tinha nome
nem definição
nem explicação
nem razão
nem motivos
nem nada

eu
pensei que era
amor
achei
que amar
era um simples sentir
era coisa de criança
que com tudo se encanta
e se engana
e eu me enganei

fui brincar
sem saber
que amor
é mesmo aquele fogo
que arde sem se ver
eu me queimei
amei errado
pensei que era amor
todo amor que eu sentia

BELAS MANHÃS TARDIAS

são
apenas
pinturas
visões
que tive
de um tempo
que não existiu

hoje
minhas manhãs
não tem mais
a cor
que tinham nas manhãs
de minha
infância

hoje
minhas manhãs tardias
tem nuvens carregadas
de frustrações
e destempero

tudo
o que vivi
ou pensei viver
ou quis viver
são telas manchadas
de uma vida
rabiscada
onde aprendi a viver
vendo a vida
esvaindo-se
dia a dia

sem graça
sem cor
telas amarelas
de um pintor
sem talento
cego de virtudes
e cheio do mal de amor

NÃO MAIS

já deixei
de ser
quem sou
há tempos

nem mais
me olho
no espelho
já sei de cor
meus defeitos

já deixei
de voar
há tempos
quebraram minhas asas

sonhos?
deixei todos
enterrados
num passado presente

não vejo mais
a lua
e não creio mais
em estrelas

deixei
de ser poeta
deixei de acreditar
no amor que sentia

tornei-me cético
a realidade
esmagou o que eu era

7 de jul de 2017

MINHA INÊRCIA

agora
só penso
em desculpas
para não fazer nada
quero
ficar
deitado
coberto até os olhos
não quero pensar
nem sentir
quero apenas
viver meu silêncio
e o direito que tenho
de ficar na inêrcia
agora
só penso
em desculpas
para ficar
neste meu inverno
sem pensar
sem sentir
vivendo meu silêncio
e o direito
que tenho de ficar
na inêrcia

AINDA PASSAREI

sou desfeito de sonhos
de expectativas
de promessas inacabadas

sou desfeito de amores
que não deram certo
de paixões escusas

sou desfeito
de palavras
de um mal uso de mim

sou torto
pálido
morto
já não sei mais
quem sou

ando
apático
abatido
sem fôlego

tentando sobreviver
sob os holofotes
desta vida
sob o olhar impiedoso
de Deus

sou desfeito de crenças
de valores
e minhas convicções
agora
rasgadas
como folhas de um caderno rabiscado

sou o que passou
e o que ainda
passará

- Eduardhus Poetry II

O AMOR QUE FOI

o amor que foi, já não é mais amor...
perdeu-se nas tristes ilusões
do não amar
e o que era simples
prazer
amar
hoje é descaso
num peito sem coração

CANSADO


estou cansado
de me sentir
feito robo
cada dia
mais alienado
deixando morrer
tudo o que sou e tudo
o que posso ser
o tempo
cada dia mais
engolindo
minha vitalidade
não tenho óleo
em minhas veias
tenho sangue...

estou cansado
de repetir
mil vezes
as mesmas frases vazias
e servir
de tapete e escada
a escória
cada vez mais viciada
em não fazer nada
almofadinhas
hipócritas
que se regogizam-se
pela soberba
falsa
não são nada
nem diferentes
de mim
estou cansado
de servir
a uma causa que não é minha
e ver cada vez
mais os meus sonhos
mortos
em mim...

5 de jul de 2017

LIVRE DE MIM

agora
sigo
sem dores

fiz
tudo
como sempre
e
como sempre
pequei
pelos meus tantos excessos

agora
sigo
de malas vazias
de peito aberto
sem rancor
sem mágoa

livro
novo
de páginas em branco

agora
vou
sem culpas
e sem pecado
livre de mim
e livre de tudo em mim



NÃO ME CHAME MAIS

não
chame
mais
meu nome
em teus sonhos

não
me queira
mais
na tua cama
de lençois
desfeitos

não serei
mais
aquele que sacia
tuas carências
mesmo
que eu queria
não vou mais

me jogar
em teus braços
e nem mais me perder
nos teus beijos lascivos

não
quero mais
ser teu escravo
submisso deste amor

não posso mais
mesmo que eu queria
mesmo que meu corpo
também peça teu corpo

me deixe
por favor
fora dos teus sonhos