"Se procura prazer, poderá encontrar aqui as suas mais diversas formas. Há quem procure palavras, há quem procure belas imagens, há os curiosos, os que admiram minha maneira de escrever. Uns julgam erótico. Outros julgam ser sensual e uns apenas lêem as palavras aqui escritas. Isso é algo que não cabe a mim julgar. Sei das minhas intenções... Sei do meu amor pela poesia... Sei da minha infinita sede de escrever..."
SEJA BEM VINDO - 9 ANOS DE POESIA! ! !

FÃS DE CARTEIRINHA

3 de dez de 2016

OLHANDO

Eu fico
Te olhando
Me perguntando
Onde teu rio
Vai me levar
Mesmo sabendo
Nadar
Tenho receio
Das tuas
correntezas
Não sei
Se és rasa
Ou profunda demais
Estas tuas águas
Sei
Apenas
Que me atrai
Que me faz querer
Te querer e eu
Nunca fui de ficar
Com meu barco
Preso ao cais...
Ou deixo
Que me arrastes e me afogues
Ou fujo de ti
Para o meu deserto
De tantas incertezas...

EU TE QUERO

Eu
Te quero
De que jeito
Ainda não sei
Mas
Eu te quero
Eu te Quero
ver despertar
Depois
De noites
Em claro
Te quero
Ver
Envergonhada
E tímida
Enquanto vestes
O corpo
Papel de minhas poesias
Te quero
Sentir
Como a água que
Te banha
Te ver
Comer
Feito criança
Que se lambuza
Com o pote de sorvete
Te quero
Ver
Andar
Para que cada gesto
Teu sejam fontes
De inspiração
Te quero
Te fazer sonhar
Em meio aos caos
De cada dia
E se o amor
Acontecer
Ainda que te faça partir
Eu te quero apenas
Saber
Que segues
Enfim feliz...

RUAS

A poesia
Está na rua
No rosto
E no jeito
De cada mulher
Que vejo

A poesia
Está no vento
Que sopra meus cabelos
Nós perfumes
Das mulheres
Que passam apressadas
Por mim e nem
Sabem que agora
São poesia
A poesia
Está
Neste meu jeito
De olhar o mundo
E vislumbrar
Amor em tudo...

ROLETA RUSSA

Vida
Esta roleta russa...
Escolhas
Certas ainda
Que erradas

E erradas
Ainda
Que inconsciente
Seguir
Viver
Parar sentir
Amar
E amar...
Além do amor
O que há
O que somos
Por que
Amor
Meu
Dos outros
A posse sobre
Tudo
O que se tem
Ainda que ilusório
Dar ao outro
O que já é de alguém
Vida
Este passeio
De cárceres
Nada sabemos
E
Achamos
Achados
Perdidos
Querer
O que não querer
E ter
O que não se pode ter
Labirintos acasos
Sentidos
Incondidos
Não sei
Que se aperte então
O gatilho
Deste revólver

CASUAIS

Encontros casuais???
Existe acaso no destino??

E assim
Se faz poesia...
Das vozes
Que não ousam falar
Dos olhos
Que se arriscam
Num olhar...

Afoitos
Corações
Dilacerados
Disfarçam
Medo?
Não se assume
Mais desejo s
Tudo fica
Sempre subentendido
Acaso
Destino
Gestos pensados
Toques involuntários...
Partida
Sem despedida
Sem adeus
Sem saudades...
Acaso
De um destino
Sem juízo...

MULHERES

Nunca
Gostei
De mulheres
Com laços enormes
Pompos
Frufrus
E afins
Babados
Plumas...

Gosto
Das mulheres
Que sussuram
Seus desejos
Discretas
Envolvem
E massacram
Suas presas
Nunca gostei
De brilhos fortes
De gestos espalhafatosos
De gritos
Sou mais
Abajures
Meia luz
Meia calça
Meia taça...
não gostos
Das santas
Das bocas que profanam
Aprecio
O silêncio que induz
O pecado entre as paredes
De um quarto...
Gosto
Das mulheres
Que são mulheres
Sem laços
Sem babados
Frufrus
E afins

25 de nov de 2016

12.000

doze
mil partes
de mim

doze
mil poesias


nem sei
como me sinto

uma euforia
agora
toma conta
de mim

sei que posso mais
ir além disso
e vou
indo
escrevendo
tudo o que sempre
sinto

deixo
fluir
este rio
para um mar

meu mar
de amar
mar
de tanta poesia

SEMPRE MAIS

eu
sempre
quis mais

quis
mais amor

quis
um mundo
maior

um espaço
só meu

uma vida
sem tempestades

eu
sempre
quis mais

mais poesias
mais vida
mais corações
e risos fartos

eu
sempre
voei
alto

além
de mim
além das minhas
ilhas que me cercavam

sempre
quis mais
um mundo de paz
de flores
e harmonia

AMOR

me viciei
em amar

amo
o amor
sem medo

que medo
poderia
existir
em simplesmente
amar

amo
o amor
que há

sem razão
alguma para amar

amo
pelo bem
que o amor
sempre me fez

ainda
que às vezes
o amor
insista em machucar

me viciei
em amar

e sigo
por ai amando

DESTINO

não sei
se
esta estrada
me levara
ao meu destino

também
não sei
ao certo
se meu destino
e o destino que escolhi

já sonhei
sonhos
que não eram meus

amores
que não meus

e vida
que não era minha

não
sei
se esta estrada
é a que me levara
ao fim de mim

sei
para onde quero ir
não sei
apenas
se este o destino
que de verdade
escolhi pra mim